As teias de uma estética dos restos em Rondônia

Notas sobre quatro vídeo-performances de Amanara Brandão:

1- Seu lixo vídeo-performance (https://youtu.be/j5JNwadPW_M): excelente trabalho, com trilha sonora potente e edição poderosa e precisa. Trata-se de um novo produto artístico da web-performer Amanara Brandão, produzido na era pandêmica, de característica tecnovivial, citando o filósofo teatral argentino Jorge Dubatti; criado a partir de um produto artístico vivial, ou seja, desde uma experiência performativa realizada no presente, num mesmo espaço físico, em que ocorre o encontro de corpos, parafraseando esse filósofo, entre espectadores e performer;

2- Vídeo-performance 1 – Uma estética dos restos (https://youtu.be/4uDYWEKB0mQ):  Primeiro trabalho da trilogia “Uma estética dos restos”, é uma obra forte, tocante, profunda e vertical. As escolhas poéticas e estéticas feitas tanto pela performer, quanto pelo editor do vídeo, assim como pelo compositor da trilha sonora desse trabalho foram extremamente precisas. O ritmo do vídeo é alucinante! Conclusão: um trabalho digno dos mais importantes festivais e mostras internacionais, seja da área do audiovisual seja da área da performance;

3- Vídeo-performance 2 – Uma estética dos restos (https://youtu.be/-Nk_jqwc6CU):  vídeo-trabalho com climas e atmosferas místicas, que reflete a transcendência da natureza em relação ao “Homo sapiens”, que, pela destruição causada, regrediu ao “Homo erectus” e, consequentemente, ao “Homo habilis”. Ao centro da narrativa performativa e audiovisual, mas em status inferior às árvores, à terra e ao rio, uma imponente mulher – que não nasceu da costela de Adão! -, performando com resíduos plásticos, em busca de arejar, com ar puro, os seus alvéolos pulmonares;

4- Vídeo-performance 3 – Uma estética dos restos (https://youtu.be/qtG8rdbsV7U): uma mulher negra e imponente, de cabelos avermelhados, trajando um figurino de onça – que tem manchas pretas, brancas e marrons claras -, dependura num varal, de forma cotidiana e relaxada, uma grande sequência de sacolas plásticas: brancas, cinzas e azuis; que são presas por grampos de madeira marrons. Também se despoja de algumas peças do seu traje cênico-performativo, que são percebidas nas duas vídeo-performances anteriores: capa de chuva plástica transparente, óculos pretos de natação de silicone, um par de meias de tecidos brancos e pretos e um par de botas de borracha pretas com solados emborrachados amarelos. Em seguida, sentada, concentrada e impassível, desata os nós da sua teia/rede constituída de plásticos reutilizados multicoloridos. Aquela, com a qual tentava “pescar os botos do Rio Madeira”. Nós, web-espectadores, sob efeitos alucinógenos produzidos por mais uma trilha sonora de João Belfort, observamos essa ação, que os desantenados podem acreditar se tratar de mais uma banalidade comunista, que nos instiga a pensar sobre o destino que continuamos a dar ao nosso lixo. Este, de forma singela e assustadora, cria o fundo e a forma de uma estética dos restos. Como que numa instalação caseira, realizada fora dos centros museológicos sagrados e consagrados, ou das obras artísticas feitas de sucatas e sobras dos brasileiros Vik Muniz e Arthur Bispo do Rosário. Lembro-me, com o que me resta de memória, de algo que li, ou assisti em algum lugar, não sei quando nem onde, de algo do tipo … Enunciado sobre jogar longe: “Não existe fora do planeta Terra”!

3ª Mostra de Encenações do DArtes/UNIR segue neste sábado (27) com exibição de quatro vídeos

No dia 27 de março é comemorado o Dia Mundial do Teatro e para celebrar essa data tão especial, a 3ª Mostra de Encenações do DArtes/UNIR (IIIMEDU) apresenta uma programação com quatro obras audiovisuais produzidas pelos acadêmicos do Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Neste sábado é dia de ver “Caipora”, “Avesso”, “A Carne” e “Eldorado”, a partir das 19h (horário de Rondônia), no link: https://youtu.be/mAZECPVcUxA.

A programação deste sábado (28) começa com a exibição do vídeo “Caipora”, que contou com a encenação de Amanara Brandão, Rafa Correia e Vinicius Brito e atuação de Rafa Correia. “Caipora” surge em meados de 2019, enquanto pesquisa acadêmica, e segue como trabalho independente em desenvolvimento. Consiste em um processo de criação colaborativa, com dramaturgia autoral, partindo da lenda amazônica Caipora – Protetora da Floresta, mesclando em experimentações audiovisuais elementos estéticos da cultura ribeirinha e acontecimentos contemporâneos, trazendo à  tona temas como regionalismo, violência contra a mulher, resgate histórico da identidade local e a relação do ser humano com a floresta.

O segundo vídeo da Mostra é “Avesso”, que tem como encenadores os artistas Jamile Soares e Gabriel Corvalan.  A atuação ficou por conta de Ádamo Teixeira e o responsável pela técnica foi o acadêmico Gabriel Corvalan. “Avesso” questiona  o que existe por trás da máscara de uma travesti?! E segue respondendo que a dor ecoa de muitas vozes silenciadas no país onde mais se mata travestis e transexuais, o grito precisa reverberar. Histórias marcadas pelo medo, mas também por resistência e essa manifestação entoa: Travestis assassinadas, presentes! Suas vidas não serão esquecidas.

“A Carne”, o terceiro vídeo a ser exibido, foi encenado por Emerson Barros e Sâmia Pandora, que também atua na obra audiovisual. O vídeo traça uma linha cronológica sobre a evolução dos direitos das mulheres através do olhar de uma jovem negra, retratando o enfrentamento de todos os desafios e das lutas para ocupar o seu espaço na sociedade. Uma reflexão sobre a identidade, origens históricas, culturais e resistência da mulher negra brasileira.

Finalizando, o evento exibirá o vídeo “Eldorado”, que tem como encenadores Ádamo Teixeira e Gabriel Corvalan,  atuação da atriz Jamile Soares e técnica de Gabriel Corvalan. “A Terra Prometida”. Uma mulher preta do Maranhão, fugindo da fome e da miséria, deixa sua terra natal e seus familiares em busca de uma vida mais digna em Rondônia. Porém, nem tudo resplandece à luz do sol. Aqui ela defronta-se com injustiças, sofrimentos e violências. Marcas se eternizam em sua carne e em sua alma. Histórias negras resistem ao tempo!

            Todos os vídeos têm classificação indicativa de 16 anos.  Após a exibição dos vídeos ocorrerão conversas com os artistas envolvidos nas obras audiovisuais. Os bate-papos serão coordenados pelo Professor Luciano Oliveira. A programação da Mostra segue no domingo (28), às 19h, com a apresentação ao vivo do espetáculo “Ela, Aquela e a Outra” e na terça-feira (30), quando será realizado o Seminário Processos Criativos em Tempos de Pandemia de COVID-19: do Teatro Convivial à Arte Tecnovivial, das 14h às 18h.

A Mostra de Encenações terá tradução/interpretação em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e audiodescrição. O projeto foi contemplado pelo Edital nº 80/2020/Sejucel-Codec 1ª Edição Pacáas Novos – Edital de Chamamento Público para difusão de festivais, mostras e feiras artísticas e culturais (Lei Federal 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc).

Sobre a Mostra

 A Mostra de Encenações é um projeto de extensão do Departamento de Artes da Universidade Federal de Rondônia, mais especificamente do Curso de Licenciatura em Teatro, com coordenação do Professor Dr. Luciano Oliveira. Trata-se de um evento no qual são apresentados ao público os projetos de encenação e artísticos desenvolvidos pelos alunos das disciplinas Linguagem da Encenação Teatral e Fundamentos da Direção Teatral, ministradas por esse professor.  Duas edições já foram realizadas no Teatro Guaporé, em Porto Velho (RO): uma em 2017 e outra em 2018. Em sua 3ª edição, a Mostra será realizada totalmente on-line, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Confira a programação dos dias 27, 28 e 30 de março:

27/03 – Mostra Audiovisual  das obras “Caipora” (Rafael Correia, Amanara Brandão e Vinicius Brito), “Avesso” (Ádamo Teixeira, Jamile Soares e Gabriel Corvalan), “A Carne” (Emerson Garcia e Sâmia Pandora) e “Eldorado” ( Jamile Soares, Ádamo Teixeira e Gabriel Corvalan)  (Classificação indicativa: 16 anos): https://youtu.be/mAZECPVcUxA  

28/03 – Espetáculo AO VIVO “Ela, Aquela e A Outra”, de Stephanie Matos e Almício Fernandes  (Classificação indicativa: 16 anos): https://youtu.be/KuRL0Wtfeqs  

30/03 –  Seminário Processos Criativos em Tempos de Pandemia de COVID-19: do Teatro Convivial à Arte Tecnovivial: https://youtu.be/hlsXp212Pws  

Acompanhe nossas redes sociais onde compartilhamos os perfis dos artistas, memórias das edições anteriores e bastidores da III MEDU: Instagram, Facebook e Youtube

Legenda da imagem:3ª edição da Mostra de Encenações do DArtes/UNIR segue neste sábado (27) com apresentação de quatro vídeos

Assessoria de comunicação da 3ª Mostra de Encenações do DArtes/UNIR

FONTE: Artes das imagens de Luís Gustavo Aldunate; texto de Dennis Weber

III MOSTRA DE ENCENAÇÕES DArtes/UNIR: Espetáculos teatrais e vídeos de acadêmicos da UNIR

Imagem: Mostra de Encenações do Departamento de Artes da Universidade Federal de Rondônia (DArtes/UNIR) chega à sua 3ª edição com apresentações de dois espetáculos ao vivo,  quatro obras audiovisuais  e um seminário. Arte: Luís Gustavo Aldunate.

Os apreciadores do teatro já têm data marcada para voltar a sentir a magia que a cena proporciona, mesmo que de forma remota, devido à pandemia da Covid-19. De 26 a 28 de março de 2021 acontecerá a III Mostra de Encenações do Departamento de Artes da Universidade Federal de Rondônia (DArtes/UNIR) – III MEDU. O evento será on-line, transmitido via Youtube, sempre às 19h, de forma gratuita. A programação, que terá dois espetáculos ao vivo e exibição de quatro obras audiovisuais, é voltada para maiores de 14 anos e contará com tradução/interpretação em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e audiodescrição. O projeto foi contemplado pelo Edital nº 80/2020/Sejucel-Codec 1ª Edição Pacáas Novos – Edital de Chamamento Público para difusão de festivais, mostras e feiras artísticas e culturais (Lei Federal 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc).

A Mostra de Encenações é um projeto de extensão do Departamento de Artes da Universidade Federal de Rondônia, mais especificamente do Curso de Licenciatura em Teatro, com coordenação do Professor Dr. Luciano Oliveira. Trata-se de um evento no qual são apresentados ao público os projetos de encenação e artísticos desenvolvidos pelos alunos das disciplinas Linguagem da Encenação Teatral e Fundamentos da Direção Teatral, ministradas por esse professor.  Duas edições já foram realizadas no Teatro Guaporé, em Porto Velho (RO): uma em 2017 e outra em 2018. Em sua 3ª edição, a Mostra será realizada totalmente on-line, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. E para esse novo momento, “[…] as expectativas são as melhores possíveis, porque será a primeira vez que a mostra ocorrerá de forma remota. Sendo assim, poderemos atingir um público muito mais amplo, inclusive de outros países. Desta forma, a visibilidade para os trabalhos apresentados será bem maior”, projeta Luciano.

Para a 3ª edição, Luciano adianta que o público pode esperar muita emoção,  pois os trabalhos que foram apresentados até então [nas duas mostras anteriores] contaram com diversos estilos e gêneros teatrais. “A 3ª edição será especial porque, além de espetáculos teatrais ao vivo, serão exibidos também projetos audiovisuais resultantes de experimentações cênicas que estavam ocorrendo antes da pandemia de Covid-19. Os alunos/artistas participantes tiveram que se virar criativamente para adaptarem para o universo tecnovivencial, ou seja, para a internet, as suas experiências vivenciais, aquelas decorrentes das trocas ao vivo entre cena e público”, explica o professor.

Após as apresentações ocorrerão conversas com os artistas envolvidos nos espetáculos e obras audiovisuais. Os bate-papos serão coordenados pelo Professor Luciano Oliveira. “Por fim, realizaremos, pela primeira vez, junto com a mostra, o Seminário Processos Criativos em Tempos de Pandemia de COVID-19: do Teatro Convivial à Arte Tecnovivial, que acontecerá no dia 30 de março, das 14h às 18h”, informa Luciano.

PROGRAMAÇÃO

Data:  26/03, a partir das 19h
Espetáculo:  Yalla, go!
Atuação e encenação: Júnior Lopes
Sinopse: O espetáculo é uma Cartilha Cênica ao vivo e on-line, em que a libanesa Zahara, sobrevivente em duas guerras oficiais no Líbano e outras guerras pessoais, apresenta pratos cheios de memórias e lições de como permanecer de pé e se levantar diante de bombardeios.

Data: 27/03, a partir das 19h
Vídeo: Eldorado
Encenação: Ádamo Teixeira e Gabriel Corvalan
Atuação: Jamile Soares
Técnica: Gabriel Corvalan
Sinopse: “A Terra Prometida”. Uma mulher preta do Maranhão, fugindo da fome e da miséria, deixa sua terra natal e seus familiares em busca de uma vida mais digna em Rondônia. Porém, nem tudo resplandece à luz do sol. Aqui ela defronta-se com injustiças, sofrimentos e violências. Marcas se eternizam em sua carne e em sua alma. Histórias negras resistem ao tempo!

Vídeo:Avesso
Encenação: Jamile Soares e Gabriel Corvalan
Atuação: Ádamo Teixeira
Técnica: Gabriel Corvalan
Sinopse: O quê existe por trás da máscara de uma travesti?! A dor ecoando de muitas vozes silenciadas no país onde mais se mata travestis e transexuais, o grito precisa reverberar. Histórias marcadas pelo medo, mas também por resistência e essa manifestação entoa: Travestis assassinadas, presentes! Suas vidas não serão esquecidas.

VídeoCaipora – Cena 1: O Jardim do Éden
Encenação: Amanara Brandão, Rafa Correia e Vinicius Brito
Atuação em Vídeo: Rafa Correia
Sinopse: “Caipora” surge em meados de 2019, enquanto pesquisa acadêmica, e segue como trabalho independente em desenvolvimento. Consiste em um processo de criação colaborativa, com dramaturgia autoral, partindo da lenda amazônica Caipora – Protetora da Floresta, mesclando em experimentações audiovisuais elementos estéticos da cultura ribeirinha e acontecimentos contemporâneos, trazendo à  tona temas como regionalismo, violência contra a mulher, resgate histórico da identidade local e a relação do ser humano com a floresta.

Vídeo: A Carne
Encenação: Emerson Barros e Sâmia Pandora
Atuação: Sâmia Pandora
Sinopse: O vídeo traça uma linha cronológica sobre a evolução dos direitos das mulheres através do olhar de uma jovem negra, retratando o enfrentamento de todos os desafios e das lutas para ocupar o seu espaço na sociedade. Uma reflexão sobre a identidade, origens históricas, culturais e resistência da mulher negra brasileira.

Data: 28/03, a partir das 19h
Espetáculo:Ela, Aquela e A Outra
Encenação: Stephanie Matos
Atuação: Almício Fernandes
Sinopse: O espetáculo trata sobre assédio moral, sexual e outros comuns no ambiente de trabalho. ‘‘Ela, Aquela e a outra’’ conta a história de três mulheres distintas que sofreram algum tipo de violência no ambiente de trabalho. ‘‘Ela’’ nos mostra fatos, ‘‘Aquela’’ nos provoca incômodos e a ‘‘Outra’’ nos traz reflexões.

Data: 30/03, das 14h às 18h
Seminário: Processos Criativos em Tempos de Pandemia de COVID-19: do Teatro Convivial à Arte Tecnovivial
Coordenação: Luciano Oliveira

Acompanhe nossas redes sociais onde compartilhamos os perfis dos artistas, memórias das edições anteriores e bastidores da III MEDU: InstagramFacebook e Youtube

Fonte: Assessoria de Comunicação da 3ª Mostra de Encenações do DArtes/UNIR 

WordPress.com.

Acima ↑